sábado, 8 de fevereiro de 2020

Paula Modersohn-Becker, Girl Holding a Glass with Yellow Flowers, 1902

sábado, 21 de dezembro de 2019

Elsa

As tempestades são como as paixões, de nada serve evitar a destruição que podem causar, desfrute-se então da sua beleza enquanto duram e curem-se as feridas quando passar.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

"Não podemos deixar de desejar, e de desejar ardentemente, que flores selvagens, flores cujos nome não conhecemos, venham também florir à nossa porta."

José Tolentino Mendonça - Flores, “Uma beleza que nos pertence"

sábado, 28 de setembro de 2019

Hoje foi assim


Em Lisboa pelo futuro
#greveclimaticaglobal



terça-feira, 3 de setembro de 2019

Doce Setembro


É com gosto que vejo partir os veraneantes do mês de Agosto.
O Verão, esse está para ficar e com vida.

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

recomeçar



La mer, la mer, toujours recommencée
 (Paul Valéry, Le Cimetière Marin)

sexta-feira, 21 de junho de 2019

O pé de romã

“Se uma criança pudesse fazer o mapa de uma cidade – pensava eu, olhando o pé de romã, ele teria menos casas e mais árvores e bichos.” 
Rubem Braga

sexta-feira, 7 de junho de 2019

sexta-feira, 1 de março de 2019

Si l'ordre est le plaisir de la raison, le désordre est le délice de l'imagination.


Paul Claudel

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Claro-escuro


Esta brutalidade, e nada mais:
Sol e sombra - o binómio dos mortais

Miguel Torga | do poema `Claro-escuro`