quarta-feira, 30 de abril de 2008

Concordo


Os cactos e o acordo ortográfico. 

" Encalhei na evidência de que, com a entrada em vigor do novo acordo ortográfico, os meus cactos vão passar a ser os meus catos. Isto não é aceitável. Vivo bem com a desifenização, suporto o ótimo e até confesso uma certa excitação com o exato. (...) Mas catos, desculpem lá, não é coisa que se apresente."

4 comentários:

de.puta.madre disse...

A passividade do país face a este abjecto atentado é exasperante. A posição que indivíduos de projecção mediática como escritores têm face ao acordo é medonha. Pois, se lidos como deve ser descobrimos que são piores que os mais amadores dos alunos tentando escrevinhar uma redacção sobre as suas férias de natal.
Estamos a assistir impávidos e serenos a ASSASSINATO da Língua Portuguesa. E vemos de camarote um imbecil a degolá-la e ninguém faz nada.

Ezequiel Coelho disse...

Para mim serão sempre cactos!
(mesmo assim, quando refiro que "coleciono" cactos, perguntam-me muitas vezes: Gatos????)

Bic Laranja disse...

Cato é como uma piteira sem espinhos. Mas basta haver pessoa que pronuncie o 'c' (eu) para banir os tais catos em poliuretano estrudido. Cumpts.

Filipe Oliveira disse...

Vai tudo à frente
Eu cá vou continuar a escrever como aprendi e quando tiver dúvidas não vou pela via mais fácil... vou ao dicionário.

(não tenho nada contra o Brasil)

bj