domingo, 7 de novembro de 2010

Un peu de sorcellerie...


Myrtus communis

Em tempos de crise que melhor conselho se pode dar do que o de aproveitar tudo o que temos à mão? 
Alguns frutos da época muito frequentes nos nossos campos e jardins são pura e simplesmente ignorados, para não dizer desprezados. Refiro-me por exemplo aos medronhos, pilritos (que podem ser vistos no postal anterior) e mastruços ou murtinhos (nomes pelos quais em alguns locais são conhecidas as pseudobagas da murta). No entanto são frutos com sabores interessantes, ricos em nutrientes importantes e com reconhecidas qualidades medicinais daquelas que tantas vezes vamos procurar em produtos menos naturais, exóticos ou pouco acessíveis.
Mesmo assim, encontrei algumas receitas em que é utilizado o fruto da murta, aqui ficam duas:

Licor de Murtanheira
também conhecido pelo nome "Arrabidino"
(para um litro de licor)
Apanham-se as murtas e retiram-se as bagas.
Juntam-se umas três mãos-cheias de bagas e deixam-se a macerar durante cerca de oito dias, num recipiente, em que se deitaram uma chávena de aguardente (mais ou menos um decilitro), água a ferver e açúcar a gosto.
(Segundo o livro "Medicina pelas Plantas" do Dr. Oliveira Feijão, este licor é mais adequado para ser bebido no início das refeições.)

Tarte de Outono
40g de manteiga;
460g de massa brisée estendida (2 rolos);
200g de bagas de murta;
150g de uvas passas;
75g de açúcar;
4 colheres de sopa de gelatina de maçã;
1 colher de sopa de essência de baunilha;
1 laranja;
Untar com manteiga uma tarteira e forrar o fundo e os lados com uma roda de massa e pôr no frigorífico.
Com a outra roda de massa, fazer tiras e entrelaça-las para formar uma grelha.
Numa terrina, juntar as bagas de murta com as passas de uva e o açúcar.
Juntar a gelatina de maçã, diluída em 10cl de água, a baunilha e a raspa de laranja, e misturar muito bem todos os ingredientes.
Pré-aquecer o forno a 220°C.
Dispor a mistura de fruta em cima da massa e distribuir a manteiga em pedaços por cima da fruta.
Dispor a grelha de massa sob o recheio.
Fechar a tarte virando as pontas para dentro.
Levar ao forno durante 15 minutos a 220ºC.
Baixar a temperatura para 180°C e deixar cozer durante mais 20 minutos.
Sirva a tarte morna.


1 comentário:

Jardineiro do Rei disse...

Rosa...
Será que a sua receita de licor de murtinhos é a mesma do Frades Arrabidinos? Tenho pesquisado ao longo do tempo na tentativa de encontrar algo que me elucide sobre isso, mas nada descobri. Encontrei uma outra receita que deixo a seguir. Li algures que os frades esperavam quinze anos até provarem o seu Arrabidino.

Licor de murta
500 gramas de murta
1 litro de aguardente
1/2 litro de água
1/2 quilo de açúcar

Esmague a murta e coloque-a num frasco de boca larga; junte a aguardente arrolhe e guarde em local escuro durante 8 meses.
Após esse tempo passe por um filtro de pano.
Num tacho coloque a água e o açúcar deixando fazer ponto pérola. Depois misture o líquido (murta) em fio, mexendo até arrefecer. Coloque na garrafa.

Os murtinhos secos e reduzidos a pó, são um óptimo tempero. Transmitem a pratos de carne o sabor forte da gastronomia mediterrânica.Em Dezembro de 2001, a bordo do Vaivém Espacial Endeavour. O objectivo era fazer testes de germinação com sementes de plantas nativas de vários países.
As folhas de murta podem substituir o louro na alimentação. Também são usadas para curtir as azeitonas. Na mitologia grega a murta era considerada a Planta do Amor e dedicada a Vénus. As noivas eram adornadas com flores de murta. Por essa razão é conhecida, em determinadas regiões, como "murta de noiva".

cumprimentos

Jardineiro do Rei