domingo, 15 de janeiro de 2017

Das doces compreensões silenciosas



Não gosto de lágrimas, de fados nem de guitarras, gosto das belas coisas claras e simples, das grandes ternuras perfeitas, das doces compreensões silenciosas, gosto de tudo, enfim, onde encontro um pouco de Beleza e de Verdade.

Florbela Espanca . em "Correspondência (1930)"

Sem comentários: