quinta-feira, 27 de abril de 2006

O Presidente e os cravos

Vamos ser razoáveis, todos nós já conhecíamos o senhor. Já todos deviam saber que ele não gosta de flores! Não gosta nem nunca há de gostar, homens daqueles desprezam as flores e tudo o que elas simbolizam se os Portugueses quisessem um presidente com cravo na lapela deviam ter votado noutro candidato.

Mas a insensibilidade de um presidente não deve questionar os símbolos históricos de um país, a revolução ficou mundialmente conhecida como a Revolução dos Cravos, eu acho lindo uma revolução com nome de flor é uma imagem belíssima para a história de um país.

Não tenho a mínima idéia de qual vai ser o papel do Presidente Cavaco na história de Portugal, mas espero sinceramente que a Revolução de Abril seja lembrada como a Revolução dos Cravos, que a história da florista que em plena revolução distribuiu cravos pelos soldados na baixa de Lisboa seja contada a todos os meninos e que as imagens das flores nos canos das G3 lembrem ao mundo inteiro que no dia 25 de Abril de 1974 em Portugal se fez uma Revolução sem violência.

3 comentários:

alice disse...

Que lindo!

Anónimo disse...

Sim, cravos, que eu vivi o 25 de Abril com terror e alegria. Terror de não se saber se era ou não era. Hoje, o meu filho não foi para a guerra e os cravos nascem no seu sorriso. O Senhor de tal estava, coitadinho, a estudar em Londres, com um carrito, coitadito, e poucas libritas, coitaditas ... enfim, é o "Pôbo" a ordenar, a ordenhar. Viva o 1º de Maio!!! Que a gente não se envergonhe de trabalhar (que o Ministro troca o olho (salvo seja) e ficamos envergonhados por só trabalhar 35 ou 40 anos!). Saudações. EP

Francisco disse...

Pode ser Presidente, mas de mim e das flores é que nunca será.