sexta-feira, 29 de dezembro de 2006


Celtis australis - Psittacula krameri
Com esta minha mania de andar sempre de cabeça no ar, já não é uma grande novidade a existência de papagaios nos jardins de Lisboa, vejo-os muitas vezes em bandos barulhentos e coloridos. Suponho que tenham escapado do cativeiro e posteriormente se tenham adaptado à vida em Liberdade nidificando, reproduzindo-se nos parques da cidade e alimentando-se de frutos das árvores tropicais que por lá abundam . Hoje encontrei um bando de cerca de dez papagaios em alegre cavaqueira em cima de um Lodão bastardo no Parque Eduardo VII, deliciavam-se com a polpa das drupas (frutos carnosos com uma semente) , lançavam as sementes para o chão onde os desajeitados pombos as esperavam. Cada vez que os papagaios cantando alegremente mudavam de árvore para lá seguiam mudos e invejosos os calões dos pombos para comer as sementes do Lodão bastardo que os papagaios generosamente devolviam à natureza.


Numa pequenissima investigação na net fique a saber que esta ave é o Periquito-rabijunco ou Papagaio-verde-de-colar (Psittacula krameri). Em nenhum lado li sobre a sua preferência alimentar pelos frutos do Lodão, mas sendo esta árvore muito comum em Lisboa pode bem ser uma das razões porque os sinpáticos periquitos por cá se dão tão bem.


6 comentários:

GPC disse...

Fantástico!

(memo: A próxima vez que for a Lisboa não esquecer de levar comida aos papagaios.)

manueladlramos disse...

Por cá também os há aos bandos mas eu ainda não os vi!

Aproveito para desejar um muito bom ano!

Gato Azul | Chat Bleu disse...

Lindos!


http://gato-azul.blogspot.com/

bettips disse...

Lindo de ver e sentir! Bjinho azul
Ano cheio de BEM estar para ti.

Filipe disse...

Há dois anos para cá vejo-os, com alguma frequência, nos Olivais (Lisboa).

Anónimo disse...

Curioso encontrar estes textos. Penso que tenho informação que irá responder a algumas dúvidas...À Cerca de 7/8 anos, houve um acidente na rua D. Estefânia. Tratava-se de uma carrinha com imensos papagaios destes...felizmente a porta abriu-se e muitas gaiolas caíram e eles fugiram. Estava presente...assisti :)
Fugiram perto de uma centena. Entretanto, e motivada pela minha forte curiosidade, andei a fazer contagem e a tentar construir os seus trajectos.
Durante pouco tempo e com a chegada do inverno, o número reduziu bastante, chegando a contar apenas 5/6..andavam em bando.
Passados 6 meses, não ouvi, nem os vi em lado nenhum...Pensei sinceramente que não se tinham adaptado ao frio ou à falta de alimento próprio. Para surpresa minha, no ano seguinte e na altura do Outono, reaparecem e pude perceber claramente que eram já perto de 10..estavam a sair do Jardim Constantino, rumo ao Jardim Cesário Verde.
No ano seguinte contei 17!!!!! Depois disto, só os vejo aos pares...Mas completei parte do percurso...já descobri onde estão alguns durante o fim da tarde e onde presumo que passam a noite!!!
Só me falta saber para onde vão durante o período da manhã/almoço :)
O mais giro, é que nunca pensei que houvesse uma entrada num blog sobre isto e andei muito tempo à procura do nome desta espécie e aqui está!!
Obrigada :)


ASS: Margarida Carneiro