sábado, 10 de fevereiro de 2007

Flores justas

Rosas do meu jardim

Hoje podemos comprar flores cortadas a preços muito baratos, estão a aparecer lojas de flores deslumbrantes com uma enorme variedade de oferta e preços surpreendente baixos. Claro que o consumidor agradece, comprar flores frescas é visto culturalmente como sinal de qualidade de vida e bom gosto e quanto mais barato melhor!


Mas será mesmo assim?
Valerá a pena a produção intensiva de flores com todos os inconvenientes conhecidos neste tipo de actividade, para podermos dar largas aos nossos impulsos?


Em países pobres como o Quénia foram implementadas enormes estruturas para produção de flores que têm sido desastrosas para os recursos hídricos do país. Enormes quantidades de flores são diariamente enviadas para a Europa (Holanda, Reino unido) onde os grandes monopólios da distribuição as revendem com escandalosas margens de lucro, é por este meio que as flores chegam por exemplo a Portugal.


Calculo que este negócio da produção de flores, se por um lado está a ser desastroso ecologicamente para o Quénia, é hoje indispensável para a sua subsistência económica. Tudo se complica quando os próprios implementadores deste tipo de indústrias, os monopólios da distribuição Ingleses, decidem ser politicamente correctos e reduzir a sua pegada ecológica reduzindo as importações para metade.


Pessoalmente não gosto do aspecto artificial destas flores. Por outro lado não me admira nada que as flores bonitas sejam caras, Já semeei algumas e sei o trabalho e a taxa de insucesso a que está sujeita esta actividade, se queremos flores nas nossas casas, temos de pagar o que elas custam ou então apanhar flores silvestres, manter umas sardinheiras na varanda, conservar bolbos num vaso que fica florido todas as Primaveras...

3 comentários:

Jardineira aprendiz disse...

O problema das flores deslumbrantes é que são frequentemente híbridos muito exigentes em fertilizantes e muito sensíveis a doenças, pelo que se acrescenta a injustiça de que as pessoas que trabalham na produção estão frequentemente expostas a altas doses de químicos.

Se calhar é tempo de redescobrir os encantos da simplicidade...

Muito oportuno, este post!

Ver disse...

Nem mais, também nesse aspecto da exposição dos trabalhadores aos químicos a escolha dos países não é inocente.

Luciano Lema disse...

Já para não falar dos custos ambientais no transporte, quase sempre em avião, desde África ou América do Sul até cá.
Como em tantas outras coisas, as necessidades de uns, mesmo que supérfluas, são o sustento de outros, mesmo que hipotecando o seu futuro.