sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Monumentos vegetais portugueses a saldo


Uma |>>

4 comentários:

Bic Laranja disse...

Nem sei que lhe diga. Não há limite para o saque. Estamos bem entregues estamos.
Que tristeza, meu Deus!
Cumpts.

Pedro Nuno Teixeira Santos disse...

De alguma forma, parece (quase) impossível existir no nosso país uma concordância entre "árvores" e "boas notícias"!

Esta notícia é preocupante sobretudo porque me parece que isto é só o princípio de um negócio que vai proliferar ainda mais; é muito rentável para os viveiros e para os pequenos e envelhecidos agricultores, pobres como estão, é uma oportunidade irresistível de fazer algum dinheiro...

P.S. - Feliz Natal e Bom Ano Novo.

Pedro

Jardineira aprendiz disse...

É o que se chama saber o preço de tudo e não conhecer o valor de nada.

Um bom natal.

bettips disse...

Inacreditável!!! E não se faz uma redonda mesa sobre estas mentes, os que vendem e os que traficam? Ou é tudo "legal"? Para tudo é preciso uma lei, mesmo para o que é senso comum? E torno a pensar no património a saque! O que custa a incultura de um povo... décadas de incultura!
Se ao menos esperássemos que o ANO NOVO fosse diferente...