quinta-feira, 25 de maio de 2006

Comércio tradicional



No dia em que a igreja católica comemora a ascensão, agradecem os homens à mãe natureza os prazeres que esta lhes proporciona.
O dia da espiga é uma festa da natureza e em inúmeras comunidades rurais é ainda hoje um dos feriados mais importantes do ano. Diziam-me hoje em Mafra que é tão importante como o Natal.
Tradicionalmente passa-se o dia no campo onde se apanham flores e plantas silvestres cheias de significados e mensagens, fazem-se ramos que se guardam durante um ano em sinal de grande respeito e admiração. As folhas de oliveira falam de paz, as papoilas e malmequeres de felicidade e alegria, o alecrim lembra a força e a saúde, a espiga simboliza o pão.
Às cidades chegam-nos neste dia raminhos de flores silvestres, em alguidares de plástico, que compramos enternecidos, mas infelizmente estas amostras de natureza já não nos dizem grande coisa e o respeito e admiração pela natureza é cada vez mais raro.

5 comentários:

Raizes disse...

Pena que o comercio tradicional hoje já não disponha de produtos originários de uma agricultura tradicional, ecológica ou produtos biológicos.

A lei da sobrevivência obriga a apostar na lei do comprar barato e tentar tirar a maior margem de lucro possivel para poder resistir à onda massiça de grandes superficies.

As Musas disse...

Obrigada por me ensinares esta tradição.
Por isso é que ontem vi raminhos exactamente ocmo dizes ... santa ignorancia...

Jardineira aprendiz disse...

Bem, parece que nós, rurais, ou semi-rurais sabemos menos que os citadinos! Eu também não conhecia, conheci pelos blogs, e achei uma tradição muito interessante!

APC disse...

Uma imagem entre o terno e o triste apresento em http://camuflagens.blogspot.com/2006/05/um-ms.html (a última): um menino tentando vender os últimos raminhos ao fim do dia...
Lembrei-me e apeteceu-me partilhar.
:-)

Rosa disse...

ah, grandes genes :)*