sexta-feira, 15 de junho de 2007

Escala 2

Tipuana tipu . A florir nos Prazeres


Tipuana tipu . No Inverno - Janelas Verdes (Árvore classificada)
Serve este post para mostrar que algumas das Árvores que eu mais gosto, são mesmo muito grandes.
(e não cabem nas fotografias)

3 comentários:

Pedro n. t. santos disse...

Estas tipuanas são fabulosas...ainda estou numa fase de "encantamento" por estas espécies do hemisfério sul que são uma novidade para mim...tipuanas, dombeyas, bela-sombras,etc., são praticamente desconhecidas mais a norte. Mesmo os jacarandás ou as pimenteiras-bastardas são raríssimas...mas no Algarve, e em Lisboa pela que vejo aqui, estão por todo o lado!

Mesmo as grevíleas ou as casuarinas são "modas" recentes pela Covilhã; e que vão prosperando porque o clima, sobretudo no Inverno, está muito mais benigno; acho que agora neva mais em Lisboa do que na Covilhã, a julgar por estes dois últimos anos!!

Também gostei muito da Robínia de flores rosa; parece-me possuir um interesse ornamental: Mas tendo em conta o poder invasivo da robínia pseudoacacia não estaríamos a criar potencialmente um novo problema?

É que me parece que o facto de ser utilizada exclusivamente em cidades não me sossega; em cidades mais pequenas, como a Covilhã, a fronteira entre o urbano e o rural é ainda ténue e as sementes podem facilmente disseminar-se; depois as pessoas "acham-lhes piada" e começam a plantá-las nas suas propriedades; é assim com as mimosas, ainda hoje vejo muitas plantadas em jardins particulares, apesar do gravíssimo problema que representam. No concelho da Covilhã o problema está totalmente fora de controlo. E, dentro da cidade, temos outro problema com o ailanto...está por todo o lado: passeios, jardins públicos, quintas abandonadas; escadarias...qualquer centímetro quadrado de espaço livre lhe serve...

Sou um bocado pessimista quanto á introdução de mais exóticas; acho que é sempre de prever o pior cenário, não vá o "diabo tecê-las"...mas enfim, se calhar estou a exagerar. Acho que comecei a divagar e entretanto já me perdi...

Voltando ao início: estas tipuanas são espectaculares!

Ver disse...

Tenho muita dificuldade em fotografar as Tipuanas, são enormes, nestas fotos nem metade da árvore aparece.

Miguel Drummond de Castro disse...

Tenho a sorte de viver no campo e em frente a casa em frente a 7 Tipuanas imensas. Quando houve aqueles grandes ventos ha uns 5 anos uma delas caiu. Mas deixou filhas que em apenas 5 anos cresceram muito, e já tem quase dez metros de altura.
No início da primavera ainda com os ramos desnudos cobrem~se de cachos de flores brancas. Visão digna de um poeta taoísta! Agora já cheias de folhagem que é lindíssima estão numa segunda floração, menos exuberante do que a primeira, mais lenta, mas mesmo assim também surpreendente. Posso assegurar ao Pedro. N.T. Santos que a fase de ecantamento com as tipuanas nunca esmorece, pelo contrário, tal como os rios profundos e os amores de verdade, o encantamento é mútuo e cresce. Eu costumo falar com elas, ou enviar-lhes música. Como eu preferem música clássica ou étnica.

Tem uma madeira tão rija que antigamente usavam-nas como aro entre as rodas das carretas de bois. Creio que ela também nos ensina a ser isso mesmo, rijos, o que nestes tempos decadentes é maravilhoso.